Estes, pois, ficaram, para por eles provar a Israel, para saber se dariam ouvido aos mandamentos do SENHOR, que ele tinha ordenado a seus pais, pelo ministério de Moisés.    

Juízes 3:4 

INTRODUÇÃO

Talvez o livro dos Juízes não seja um dos favoritos dos cristãos leitores da atualidade. A presença de nomes esquisitos e as narrativas repetitivas dos juízes que eram levantados para libertar o povo da opressão dos inimigos oferecerem um tom monótono aos leitores de nossos dias. É certo que quase todo mundo gosta de história, mas nem todas as histórias prendem a atenção das pessoas hoje em dia. Por isso que estes e outros fatores representam um desafio à leitura deste livro da Bíblia. A proposta é justamente despertar sua atenção para o conteúdo desse livro que, de certa forma, deve ser encarado como um livro de transição. Como assim? O livro de Juízes está situado entre dois importantes períodos históricos do povo de Israel, o período dos patriarcas e o período da monarquia. Porém, muito mais do que isso o período deve ser visto como um período de promessas cumpridas. Uma terra havia sido prometida aos descendentes de Abraão (Gn 12). Juízes, portanto, abarca justamente o período em que os descendentes de Abraão habitam a tão famosa terra que “mana leite e mel” (Êx 3:17), ou seja, terra boa que estaria sob direção do Deus provedor. O que aconteceu nesse momento da vida do povo? Como era viver dentro de uma promessa cumprida? O conteúdo dessa lição tentará responder a estas perguntas fazendo o recorte de uma narrativa específica. Falaremos sobre a narrativa do primeiro juiz, Otniel. As informações contidas nesta narrativa nos dão uma noção importante sobre o tipo de compromisso assumido pelo povo com Deus. A partir disso, procuraremos extrair alguns princípios para serem pensados em nossa época.

 

PECADO: IDOLATRIA

O versículo 7 oferece-nos uma informação que irá se repetir ao longo do livro, isto é, “os israelitas fizeram o que o Senhor reprova”(Jz 3:7 NVI). Essa reprovação referia-se à propensão do povo israelita de recorrer aos ídolos dos demais povos. A questão não era a ruptura total com o Deus da Aliança do Sinai. O povo reconhecia a presença do Deus do Sinai em sua memória social, contudo não haviam se desvinculado da herança dos ídolos territoriais dos antepassados (Js 24:15 NVI). O conflito surgiu pelo fato de que o Senhor, que se revelou no Sinai, não aceitava adoração compartilhada. O primeiro mandamento assim prescreve: “Não terás outros deuses além de mim”(Êx 20:2 NVI). Todavia, em sua larga maioria, a cultura dos povos em geral comportava o politeísmo (adoração a mais de um deus). Assim, o monoteísmo era uma coisa estranha à normalidade cultural daquelas sociedades. Somado a isso ainda havia o fato de o Senhor Deus ter proibido a confecção de qualquer tipo de imagem de escultura que visasse a representá-lO. Isso também era uma quebra de paradigma. Pois, como adorar um Deus que não se vê e não se toca? Entretanto, essa era a proposta trazida pelo Criador, ou seja, sem rivais e sem representações, mas apenas uma fé que se cultiva no coração e transborda para a experiência do dia a dia.

Se o Senhor foi tão claro, então por que o povo fez o contrário? Fizeram o contrário pelo fato de que desde os antepassados o povo de Israel nunca extirpou definitivamente a idolatria de sua cosmovisão. Por isso que estavam sempre à mercê de se esquecerem de Deus. O fato de ser dito no versículo 7 que o povo se esqueceu do Senhor não significa uma amnésia total. Esquecer aqui traz o sentido de não considerar o Senhor conforme os termos da Aliança do Sinai. Por outro lado, a Bíblia nos narra momentos em que o povo fez afirmações de aliança como em Josué 24. Contudo, o fato de existirem essas convocações gerais para que o povo relembrasse as intervenções divinas e assim assumissem um compromisso com o Todo Poderoso não garantia uma adesão incondicional ao monoteísmo. A chamada para servir a Deus era nacional e geral, só que nem todos se comprometiam. A prova é tanta que Josué procurou restringir seu compromisso apenas a sua casa, ou seja, a sua família ou clã, quando disse: “Mas, eu e minha casa serviremos ao Senhor”(Js 24:15 NVI). Josué havia vivido tempo suficiente para presenciar os deslizes do povo, sabia que era um povo difícil e teimoso.

Considerado isso, voltemos para nosso texto específico. Quem eram os deuses com quem as tribos de Israel estavam provocando ira ao Senhor? Os deuses eram Baal (ou baalins no plural) e Aserá. Os povos que habitavam a terra de Canaã prestavam culto a vários deuses. A divindade “El” era tido como uma espécie de “deus-pai”, ou deus principal. Porém, parece não ter exercido um papel tão destacado na vida e cultura do povo cananeu. A principal divindade era Baal, palavra de origem semítica que em nossa língua portuguesa é traduzida por senhor. A raiz da palavra significa: ele governa, ou ele possui. Também traz o significado de “proprietário da terra”. Essa divindade estava no centro da gestão do cosmos e entranhada na vida cultural dos povos de Canaã. Por isso que encontramos na Bíblia outros nomes complementados ao de Baal como Baal-Berite (Jz 8:33), Baal-Peor (Dt 4:3; Sl 106:28), Baal-Zebube (2 Rs 1:2), os quais estavam relacionados a certos eventos e locais de caráter religioso.

De acordo com o ciclo mitológico, as divindades entravam em guerra uns com os outros e também casavam-se, gerando filhos ou filhas que também eram divinos. Na religião cananeia a esposa de Baal era Aserá, também chamada na Bíblia de Astarte, 1 Rs 11:5 e Astarote, Jz 2:13, 1 Sm 7:13. Essas variações nos nomes poderiam estar relacionadas ao uso da língua de determinados povos e ao próprio complexo processo de transmissão das tradições que incorporavam novos elementos ao longo do tempo. “Importantes no mito cananeu eram a morte e a ressurreição de Baal que correspondia à morte e à ressurreição da natureza, cada ano” . Acreditava-se que a cada celebração anual dos ritos dessa religião renovava-se as forças da natureza, assegurando assim fertilidade do solo, dos animais e dos seres humanos.

Apresentadas essas brevíssimas informações sobre a religiosidade cananeia, eis que surge uma questão: em que isso contribui para o presente estudo? Contribui no sentido de conduzir os leitores/as a um contexto mais amplo e que nem sempre está presente no texto bíblico. Somente quando consideramos estes e outros fatores que nem sequer foram mencionados aqui é que podemos entender um pouco sobre o porquê o culto a estas divindades persistiram por tanto tempo na vida do povo de Israel. Como vimos, uma vez que Baal significava senhor e seu domínio se estendia sobre vários aspectos da existência, muitos israelitas acabaram por fazer uma correspondência com o Deus que havia se revelado a Moisés. Yaweh3 também era Senhor, também controlava as estações, era o responsável por abençoar as colheitas e a multiplicação da família. Nesse sentido havia uma espécie de sincretismo. Ou seja, as entidades divinas eram as mesmas, mas tinham nomes diferentes. E as diferenças, como já foi dito acima, tinham que ver com a transmissão da memória cultural religiosa.

Com isso não se está querendo apresentar uma justificativa. A idolatria sempre foi condenada pelo Deus de Israel e assim será. Entretanto, o que essas informações quiseram mostrar é que a bagagem cultural que eles traziam antes de conhecerem a Yaweh, o Deus da Aliança no Sinai, não se desfez de um dia pro outro. Isso nos leva a refletir que o que estava acontecendo na época dos juízes era uma baalização de Yaweh, ou uma javeização (ou monoteização) de Baal. Estava ocorrendo uma assimilação das estruturas religiosas e por isso foi tão difícil extirpar o baalismo da vida de alguns israelitas.

 

PUNIÇÃO: OITO ANOS DE OPRESSÃO

A narrativa bíblica segue e nos diz que a ira do Senhor se acendeu contra o povo (v.8). Como forma de punição, o Senhor entregou os israelitas nas mãos do rei da Mesopotâmia, Cusã-Risataim. Indivíduo de quem se tem pouca informação. Seu nome na realidade é uma espécie de apelido que se traduz por “Cusã duplamente mau” . O termo “Cusã” era um termo antigo que designava os midianitas. Sobre a Mesopotâmia, Cundall e Morris recorrem a Wiseman que diz ela era uma “... terra fértil” e que sua localização geográfica atualmente seria “o leste da Síria e norte do Iraque” .

Politicamente Canaã não tinha um governo centralizado. Mas, cidades que funcionavam como uma espécie de estados independentes com monarcas próprios. A maior parte das cidades que compunham a região de Canaã estava na planície, uma vez que as regiões montanhosas eram mais difíceis de serem povoadas. O processo de assentamento de Israel naquelas terras não eliminou todos os povos em derredor. Algo que, por certo, facilitava essas investidas desses povos contra os israelitas. Sem governo centralizado e sem exército permanente as tribos israelitas ficavam em certa condição de vulnerabilidade. Somado a isso, ainda havia a questão de as tribos não viverem unidas. A falta de união de todas as tribos se dava por separação geográfica e também por acomodação, pois uma vez conquistadas as terras, não havia propósito maior pelo que lutar. O livro de Juízes até menciona certa união de tribos por uma causa comum como foi o caso de Débora e Baraque (Jz 5). Mas são casos isolados. Isso aponta para os fatores contextuais históricos e políticos que Deus usava como forma de disciplinar seu povo. Para Cusã-Risataim oprimir aquele grupo de israelitas próximos era uma oportunidade de obter escravos e cobrar impostos. Por oito anos aquele grupo de israelitas foi oprimido. Mas havia chegado o momento de livrarem-se daquele jugo.

 

LIBERTADOR E JUIZ: OTNIEL

O versículo 9 diz assim: “Mas, quando clamaram ao Senhor, ele lhes levantou um libertador...”(Jz 3:9 NVI). O libertador dessa ocasião foi Otniel, o primeiro juiz. Segundo alguns estudos, o nome Otniel significa “leão de Deus”, já para Wiersbe, aponta para “Deus é força” . Seu grau de parentesco com Calebe e Quenaz o remetem a tribo de Judá (Cf. Jz 1:4,14). A função dos juízes (shopetim) era temporária. Apenas por causa da opressão eles eram levantados. Geralmente suas ações eram seguidas de um período de paz até o povo abandonar o Senhor novamente. Curiosamente, não há registro de que o Senhor tenha operado sinais e prodígios para libertar seu povo. A libertação vinha pelo fato de os juízes portarem certo carisma, sem o qual dificilmente conseguiriam ter autoridade sobre a tribo. Este carisma tinha haver com a personalidade deles. Isto é, portavam coragem, compromisso, obediência, etc. Características importantes para gerenciarem seus clãs, ou famílias. Contudo, vale lembrar que a personalidade não era o fator determinante. É importante frisar que o Espírito do Senhor vinha sobre o juiz para que ele pudesse obter êxito. O escritor do livro de Juízes faz questão de apresentar uma leitura teológica da situação. A libertação só vinha quando o povo clamava e aí sim o Senhor investia-os com Seu Espírito para empreender a façanha. Apesar de não termos nenhum detalhe sobre o andamento da guerra de Otniel contra Cusã-Risataim, o resultado foi a vitória.

 

QUARENTA ANOS DE PAZ

A vitória de Otniel trouxe paz para aquele setor da terra prometida. Nunca é demais lembrar o leitor/a que o autor do livro de Juízes está alinhavando episódios que necessariamente não tem um escopo global. Essas opressões eram sempre locais. O clã e a tribo de Otniel gozaram paz por quarenta anos, mas isso não quer dizer que essa paz era uma realidade para as outras tribos. O narrador não está tão focado numa sequência temporal, apesar de que para os leitores atuais é exatamente isso que parece. Antes ele quer apresentar um quadro geral. O período de paz esteve atrelado ao tempo que Otniel viveu enquanto juiz. Quando morreu o povo voltou a fazer o que o Senhor reprovava.

 

CONCLUSÃO

Aprendemos que a estrutura cultural pré-mosaica arraigada por anos foi um dos fatores cruciais para a idolatria persistente nas tribos israelitas. O Deus que havia se revelado a Moisés e aos demais hebreus no Monte Sinai era um Deus “novo”. Por isso era necessário conhecê-lO. Infelizmente, o que o Senhor tinha proposto não foi assimilado de forma completa. O povo coxeava entre mais de um pensamento. Em nossos dias acontece o mesmo. É verdade que não vivemos debaixo de uma configuração tribal. Mas o princípio que devemos extrair é o de que ainda hoje as pessoas trazem a bagagem da velha vida para tentar acomodá-la a nova vida. Sem sombra de dúvidas isso não dará certo. Claro que a maturidade da vida cristã não se dá instantaneamente. Há um processo. Mas o que aconteceu no livro de Juízes não foi progresso, mas sim retrocesso. Outra lição que podemos tirar é que nem sempre Deus vai intervir de forma miraculosa, ou seja, através de sinais e prodígios. Deus só precisa de nossas atitudes e compromisso. Assim como aconteceu a Otniel é possível que o fruto de nosso empenho seja restrito a um período de tempo. Nem sempre as ações de Deus através de nós atingem o nível macrossocial. Isto é, dure pouco tempo e atinja poucas pessoas. Mas o que importa é que para o Senhor o nosso trabalho jamais será em vão (1 Co 15:54).

 

 

 

QUESTÕES PARA DISCUSSÃO EM CLASSE

1 – Em sua opinião porque o sistema tribal, operante na época dos juízes, não favorecia a uma unidade de todas as tribos e nem a um compromisso mais efetivo com o Senhor Deus?

R.__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

2 – De acordo com a bênção de Jacó em Gênesis 49:8-12 direcionada a tribo de Judá podemos captar uma espécie de vocação desta tribo para conduzir as demais, e possivelmente agregá-las em torno de uma causa comum (Jz 1:1,2). Seria a inadimplência vocacional de Judá o fator desencadeante para o comportamento do povo ao logo do período dos juízes?

R.__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

 

 

3 – Quem foi Otniel e o que você poderia falar sobre a personalidade a partir do texto de Juízes 1:11-14?

R.__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

4 – Que leitura você faz do comportamento de Deus nesse período dos juízes?

R.__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

5 – Que outros princípios você poderia retirar dessa lição e aplicar a sua vida cristã hoje?

R.__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

1https://pt.wikipedia.org/wiki/Baal. Acesso em: 16/08/2018.

2 BRIGTH, John. História de Israel. São Paulo: Paulus, 2003. P.152.

3 Há uma discussão em torno do significado do nome Yaweh por parte dos estudiosos. Mas é provável que tenha a ver com a forma causativa do verbo ser, trazendo a ideia de o “deus que cria ou produz”, cf. BRIGHT, J., p.197.

4 PINTO, Paulo. Baal, adn de Deus: a génese do conceito de Deus único no mundo da Bíblia à luz do ciclo de Baal. Lusitania Bíblica: Série de estudos, v.1. Disponível em: revistas.ulusofona.pt/index.php/seriemonograficacienciadasreligi/article/view/.../2702. Acesso em: 16/08/2018.

5 BÍBLIA DE JERUSALÉM. São Paulo: Paulus, 2002. Cf. nota c. p.352.

6 DOUGLAS, J.D (ORG.).O Novo dicionário da Bíblia. 2ed. São Paulo: Vida Nova, 1995. P.381.

7 CUNDALL, A.; MORRIS, L. Juízes e Rute: introdução e comentário. São Paulo: Vida Nova, 1986. p.72.

8 BRIGHT, J. Op. Cit., p.153.

9 WIERSBE, W. Comentário Bíblico Wiersbe Antigo Testamento. Santo André: Geográfica, 2008. p.253.

10 BÍBLIA DE JERUSALÉM, Op. Cit., nota b. p.352.

11 FEE, Gordon; STUART, Douglas. Como ler a Bíblia livro por livro: um guia de estudo panorâmico da Bíblia. São Paulo: Vida Nova, 2013. p.86.

Fonte https://pib7joinville.com.br/estudos/entendendo-e-vivendo/4319-primeira-opressao.html

0
0
0
s2smodern

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Nosso Facebook

Pastores

Pastor Vaner Mombach

Vaner Mombach

Pastor titular PIBSD  Novo Hamburgo

Pastor Edson M. Teixeira

Edson M. Teixeira

Pastor Evangelista

Pastor Martiliano Pimenta

Martiliano Pimenta

Pastor da Congregação boa Saúde

 

Outros sites

Conferência Nacional

Site Conferência Nacional
Site Conferência Nacional

 Site Igreja Joinville

Site da Igreja Batista do Sétimo Dia de Joinville
Site da Igreja Batista do Sétimo Dia de Joinville

 Site de estudos Graça Maior

Site de estudos Graça Maior
Site de estudos Graça Maior

Mais artigos